Para viver bem: abaixo o terror

185

Com o cenário de conflitos da atualidade, as tendências de sentimento e conteúdo pairam no pessimismo e acabam invadindo nossa realidade. Viver bem pode ser classificado como um desafio da vida moderna mesmo diante de tantas facilidades tecnológicas.

Ora nos deparamos com as catástrofes mediante as quais nos sentimos com as mãos atadas como cenário de crise, tensões políticas, guerras infindáveis e ora nos deparamos com as dificuldades da própria vida como a satisfação na vida pessoal e profissional, que muitas vezes não está de acordo com as nossas metas de felicidade.

Com uma perspectiva tão pesada à frente parece ser uma árdua tarefa viver bem.  A competição, o excesso de informação, a luta pelo sucesso material, a vontade de ter um corpo perfeito, a busca pela saúde, a dificuldade de equilibrar relacionamentos com os desafios da vida moderna…a vida parece um imenso fardo, no qual qualquer atividade pode tornar-se um terror.

Por exemplo, o trabalho muitas vezes torna-se uma competição, a dieta e a atividade física tornam-se um desrespeito ao bem-estar e ritmo do corpo, o visual é mais consumo que diversão e manifestação da personalidade, os relacionamentos mal escolhidos que vêm a ser mais uma forma de preencher o vazio do que companheirismo.

O que nos esquecemos muitas vezes é que as atividades da vida precisam ter prazer e presença. De nada adianta vestir algo bonito no qual não se sente bem, fazer uma dieta sem sabor, trabalhar para superar o outro e não você mesma, exercitar-se num ritmo frenético numa atividade que não lhe interessa, tentar resolver um problema sem buscar a sua causa real?

Também nos esquecemos às vezes que os problemas do mundo podem ser resolvidos quando cada um de nós fizer a nossa parte, ou seja, quando em nossas esferas agimos bem conosco e com o próximo. De nada adianta absorver o pessimismo do cenário exterior sem separar-se dele e criar condições próprias de bem-estar e de altruísmo. Além disso, fazer o bem para si e para os outros em todas as situações da própria vida já aumenta o nível de energia positiva mundial.

Echarkt Tolle, autor espiritualista alemão, por exemplo, explica através de sua literatura como O Poder do Agora e O Despertar da Nova Consciência, como o poder da presença pode mudar nossas vidas incrivelmente para melhor. Ao vivermos com presença nas ações, centrados e com equilíbrio, a vida tem um enorme poder de transformação positiva.

Viver bem dá trabalho, pois exige empenho em construir a própria felicidade com base em coisas reais. Porém, pode ser extremamente e realmente gratificante. Seja feliz, mas de verdade.

Veja algumas dicas para construir a felicidade no dia a dia e não o terror:

  • Faça tudo com sentimento bom de alegria e prazer: seja o problema de cem passos que você tem que resolver, aquela decisão difícil de tomar, aquela refeição que vai cozinhar para a família… tudo que tem sentimento bom é mais fácil de resolver e tem um bom resultado.
  • Esteja presente: a mente precisa viver no agora, senão é difícil encontrar soluções e alegria no dia a dia com a mente indo e vindo entre passado e futuro, criando uma confusão mental.
  • Enxergue o outro: sim, mas o enxergue de verdade, com os desafios da vida alheia, pois todos nós temos pelo menos um. Facilite a vida do próximo onde surgir a oportunidade. O egoísmo é a fonte mais pura de infelicidade
  • Faça algo de bom e verdadeiro: realize coisas que sejam boas de verdade em essência.
  • Seja você e não alguém que você quer mostrar que é: ser algo que os outros querem e não você dá um cansaço infinito e está longe de proporcionar-lhe felicidade.

Foto: ijeab/freepik